Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

{ Isto não pára! }

Cada vez a minha vida anda mais para trás. Começo a não saber dar a volta a tanta coisa má de uma vez. Ou aos poucos. E que me devastam e arrasam.

 

Hoje caiu-me mais uma bomba em cima e que compromete o meu futuro laboral, Nem quero ainda verbalizar o que me foi dito, na esperança que não seja bem assim, que afinal as coisas nao sejam tão más.

thinking.jpg

 

 

Uma má notícia nunca vem só...

Na sexta-feira, o N. veio mais cedo porque o irmão fazer uma cirurgia. Antes de voltar para o hospital, veio a casa trazer o Pimentinha e almoçar para depois, ele e a mãe ficarem a acompanhar o irmão.

 

Depois de almoço, fomos abrir a nossa correspondência e foi quando recebi a primeira má notícia. Mais uma vez o aumento da prestação da casa. Não foi muito mas este "pouco" faz mossa nos nossos orçamentos mensais. Lá nos tentámos manter optimistas e não esmorecer com esta "tacada" da vida.

 

O N. levou-me à escola e depois seguiu em direcção ao hospital. Dei as minhas aulas, decorreu tudo normal e à hora da minha saída, perguntei se as aulas do pré-escolar sempre iriam começar na segunda-feira. E é aqui que a segunda má notícia entra: "não!" Só havia dois alunos inscritos e, por serem poucos, o inglês do pré-escolar não ia abrir. Como é possível que desde que se iniciou o inglês no pré-escolar as turmas foram sempre de vinte e dois, vinte e três alunos e agora só dois?!? Acredito que a culpa seja da crise.

Só vos digo que não tive reacção. Saí dali meia atordoada e fui apanhar o autocarro para vir para casa.

 

E conforme o tempo passava mais ficava ciente do impacto da segunda má notícia na minha vida. São cerca de dez horas a menos no meu horário, o que é um grande impacto no meu já magro ordenado. Como vou pagar a segurança social? Posso deixar de fazer retenção na fonte? Vou trabalhar apenas para pagar as despesas da casa e as obrigações sociais e fiscais, pelos vistos.

 

Desde aí que tenho comecei a entrar na fase do desespero com "D" grande. Só vos digo que vim a chorar "para dentro" até chegar a casa. Quis desabafar, escrever um post, mas nem net tinha em casa, na minha casa. E é num estado de tristeza profunda e desespero lactente que me encontro. Com grande falta de alento embora não parada.

 

Como se isto não bastasse, ainda fui atacada por uma virose brutal. A minha noite de sábado para domingo foi passada na casa de banho. Não deixei dormir ninguém - pobre do meu cunhado que tinha vindo meio combalido do hospital :/ - e as idas à casa de banho parecia que não iam parar.

Hoje não fui trabalhar, obviamente. Estou um pouco melhor mas não restabelecida. Os vómitos pararam mas o resto não. Estou fraca, sem vontade de comer, cheia de dores no corpo e sem alento. Acho que até o meu organismo teve uma reacção violenta à notícia da redução do meu horário.

 

 

* Desculpem a qualidade do post mas isto para os meus lado anda assim... :/ Ah e o projecto continua em elaboração...